Você conhece as Warias? São as mulheres trans da Indonésia

Crédito: Fulvio Bugani

A Indonésia é um dos países mais conservadores do mundo. A sua população é uma das maiores do mundo e a grande maioria dela é muçulmana. Por isso, é difícil encontrar uma grande comunidade LGBT no país, mas a presença das Warias é bem recorrente.

O próprio nome Waria já resume a comunidade. A palavra é uma junção de “wanita” (“mulher”) e “pria“ (“homem”). Elas são as mulheres trans da Indonésia. Lá, eles acreditam que as warias são pessoas que têm a biologia de um homem, mas a alma de uma mulher.

As Warias são um grupo bem diverso, englobando o que, aqui no ocidente, dividimos em cross-dressers, transsexuais, drag queens e homens gays afeminados. E, na Indonésia, elas não acreditam em fazer a cirurgia para a mudança de sexo. Para elas, Deus as mandou ao mundo com a biologia masculina e elas devem voltar aos céus com a mesma biologia.

Grande parte das Warias são muçulmanas e rezam junto com os homens nas mesquitas e celebram o Ramadan. Mas isso não as exclui de serem alvos de muçulmanos fanáticos e nem de sofrerem violência.

A religião, porém, não é a maior preocupação da comunidade. Elas têm muita dificuldade em achar o amor e terem um relacionamento longo e duradouro. Isso acontece porque são vistas como promíscuas, que só ligam para sexo e não têm valor para se casarem.

Recentemente, o fotógrafo italiano Fulvio Bugani teve acesso a uma comunidade de Warias na Indonésia e percebeu que precisava fotografá-las. Após passar um tempo vivendo com elas e ganhando a confiança do grupo, ele fez um ensaio com retratos da comunidade. Confira:

Crédito: Fulvio Bugani
Crédito: Fulvio Bugani
Crédito: Fulvio Bugani
Crédito: Fulvio Bugani
Crédito: Fulvio Bugani
Crédito: Fulvio Bugani
Crédito: Fulvio Bugani
Crédito: Fulvio Bugani
Crédito: Fulvio Bugani
Crédito: Fulvio Bugani

Com informações de Huffington Post