Skol aposta num carnaval redondo no #ApitoContraOAssedio

Skol
Créditos: Divulgação

A Skol está antenada nas questões sociais e na luta pelos direitos das mulheres e em todos estes debates que retumbam pelos quatro cantos e já pensa no carnaval, amplificando a campanha #ApitoContraOAssedio. A marca irá distribuir mais de 50 mil apitos para mulheres em blocos de carnaval em todo o Brasil.

Em 2016, durante o carnaval, a cantora Lia Marques foi testemunha de uma cena de assédio contra uma mulher que curtia a festa em São Luiz do Paraitinga. Pela janela de casa, ao presenciar o caso, ela se deu conta que não deveria mais se omitir.

“Nesta época do ano as pessoas perdem a noção e é preciso dar um basta. Reforçar aos homens que são as mulheres que determinam os limites e não está permitido ultrapassar essa linha”, comentou. Nesse momento o “Apito Contra o Assédio” nascia.

Marina Gabos e Amanda Cursino, amigas de Lia, se uniram à cantora e deram a ideia de que outras mulheres deveriam utilizar o apito para se protegerem contra o desrespeito, chamar a atenção e coibir assédios e exageros. A ação parece simples, mas um som pode ser o suficiente para garantir a segurança das garotas, as empoderando e garantindo que não sofram excessos.

Como funciona? Fácil! Se o rapaz não respeitou o seu não, é só apitar. Afinal de contas, não é não.
“Ah, mas nem deu tempo de falar nada que ele já veio me beijando”. Sem problemas: apita. E se um cara estiver te ameaçando? Leve o apito à boca e o sopre com toda a força dos pulmões.

A Skol, apoiando a causa, definiu que é o respeito e empoderamento, principalmente numa festa que defende a liberdade, que são de suma importância. Partindo desse pressuposto deu suporte às garotas de São Luiz do Paraitinga, auxiliando a amplificar a ação delas pelo país.

A partir do sábado, 18 de fevereiro, alguns blocos pelo Brasil irão receber da Skol o #ApitoDeRespeito. Estes acessórios serão distribuídos para os foliões junto com bexigas contendo mensagens promovendo o respeito na festa. Entre elas será possível ler “Seu Respeito Me Deu Onda” ou “O carnaval é redondo, mas respeite meu quadrado”.

Desde 2016 a Skol traz em sua comunicação a defesa ao direito da diversidade e na luta a favor dos direitos das mulheres com a campanha #RespeitoIsON. Esta iniciativa começou com uma série de ações e patrocínios (inclusive da Parada LGBT de São Paulo, Rio e Belo Horizonte), que tiveram sequência com “Redondo é Sair do Seu Quadrado”, o mote do Verão Skol.

Lia Marques conta que não esperava o contato da marca, mas que tanto ela quanto as amigas se encheram de orgulho quando a Skol comprou a briga.

“Nós fizemos um vídeo sugerindo o uso de um apito e soltamos a campanha na internet. A repercussão foi crescendo e muitas pessoas se engajaram. Quando a Skol nos procurou ficamos orgulhosas, é muito legal ter uma marca apoiando a nossa causa porque a ideia é espalhar isso pelo Brasil”, comentou Lia Marques.

A iniciativa apoiada por Skol vai começar nos blocos “Vem Ni Mim Que Tô Com TUDO” (saída às 11h) e Beleza Rara (saída às 13h) em São Paulo, antes de se espalhar pelo país. Além de Sampa, Florianópolis, Salvador e Recife também irão contar com a ação.

A diretora de marketing da Skol, Maria Fernanda de Albuquerque, explica que a preocupação da empresa com as questões que tratam do respeito, diversidade, questões de gênero e inclusão não são recentes.

“Há algum tempo, Skol vem incorporando essa mensagem de respeito, inclusão e valorização da diversidade. E estamos aprendendo muito com esse processo. Desde a Parada LGBT de São Paulo, tem sido uma jornada muito humana e que ainda irá render muito. O carnaval não poderia ficar de fora e queríamos fazer algo. Quando soubemos do projeto da Lia, Marina e Amanda, quisemos entender como participar. Junto com as meninas encontramos uma forma de começar a dar mais visibilidade à essa questão e aproveitar para incentivar todas as pessoas a se divertir com mais respeito”, argumentou.

Nada mais justo e seguro do que garantir um carnaval redondo, curtindo como quiser; no bloco, na festa, em casa. No meio da folia, paquera, fantasia ou momento de tranquilidade. Que parta do desejo e da vontade individual da pessoa, sem abusos, sem assédios. Respeito em primeiro lugar, seja onde estiver ou pelo que decidir fazer. E se o homem passar do ponto, já sabe: apito!