Em feito inédito, duas categorias têm maiorias negras de indicados ao Oscar

Naomie Harris, Octavia Spencer e Viola Davis/Fotos: Divulgação

Pela primeira vez na história do Oscar duas categorias tiveram negros entre a maioria dos indicados a uma das premiações mais importantes do cinema. Um dos casos ocorreu com o prêmio de Melhor Atriz Condjuvante, em que concorrem Viola Davis, Naomie Harris e Octavia Spencer, ao lado das estrelas Michelle Williams e Nicole Kidman.

Viola Davis foi indicada por seu papel em Cercas, em que contracena com Denzel Washington; o nome de Davis, aliás, causou comoção na internet logo após o anúncio dos indicados. Naomie Harris concorre ao prêmio pela participação em Moonlight, que mostra o crescimento de um jovem na periferia de Miami e os obstáculos que ele precisa enfrentar por causa de sua raça e de sua sexualidade. Já Octavia Spencer é uma cientista negra que ajudou a colocar um homem no espaço em Estrelas Além do Tempo.

Outra categoria que terá a maioria dos indicados negros é a de Melhor Documentário. Entre os cinco indicados, quatro têm a ver com a história negra ou tem diretores negros. Ou seja, 80% da categoria é encabeçada por negros. São eles: O.J.: Made in America, que conta o caso de O.J. Simpson e tem duração de 7 horas e 47 minutos; A 13ª Emenda, da Netflix. O documentário de Ava DuVernay, diretora negra que também dirigiu Selma (2014), denuncia o sistema prisional estadunidense e sua intrínseca relação com o racismo e a escravidão; I Am Not Your Negro, que conta a história do autor James Baldwin, que escreveu uma biografia sobre os líderes da luta pelos direitos civis dos negros Medgar Evers, Malcolm X e Martin Luther King; e Life, Animated, que conta a vida de Owen Suskind, um autista que usa animações da Disney para se expressar. O diretor do filme, Roger Ross Williams, é negro.

Duramente criticados no último ano, quando não faltaram publicações com a hashtag #OscarSoWhite (#OscarMuitoBranco), os organizadores e críticos parecem estar mais preocupados com a questão da diversidade racial.

Um sinal dessa preocupação é a indicação também dos atores Denzel Whashington ao prêmio de Melhor Ator (ele também dirige Cercas, indicado a Melhor Filme); Mahershala Ali (que também está na produção Moonlight – outra das indicadas na categoria de Melhor Filme) concorre como Melhor Ator Condjuvante; Ruth Negga, filha de mãe irlandesa e pai etíope, está entre as indicadas a Melhor Atriz por seu papel em “Loving”, filme baseado em uma história verídica sobre uma decisão da Suprema Corte americana de proibir casamentos interraciais na década de 1960 .

Além disso, destacam-se as indicações do diretor Berry Jenkins, apontado em sua categoria também com Moonlight e de Joi McMillon, com o mesmo filme. A indicação de McMillon, no entanto, é inédita; já que pela primeira vez uma mulher negra é nomeada para concorrer ao prêmio de Melhor Edição.

 

Com colaboração de Isabela Faggiani