Barack Obama: despedida marcada por discurso de igualdade

Crédito: REUTERS/John Gress

No início da madrugada desta quarta-feira (11), o ex-presidente Barack Obama fez seu último pronunciamento como líder da maior potência do mundo, 10 dias antes de entregar o cargo a Donald Trump.

“Sim, nós podemos. E nós fizemos”, disse, Obama ao falar de todos os avanços conseguidos em seus dois mandatos. A frase foi inspirada no slogan de campanha que levou o primeiro presidente negro dos Estados Unidos da América à Casa Branca. Ele falou por cerca de 55 minutos para um público de 20 mil pessoas no McCormick Place, em Chicago. O discurso foi transmitido ao vivo pela TV.

O ex-presidente defendeu a recuperação econômica, a geração de empregos, evidenciou as relações internacionais com países que, o próprio Obama revelou ser difícil de acreditar ver realizado, assim como é o caso do Irã e Cuba “sem nenhum tiro”. Também citou a morte de Osama bin Laden.

Barack Obama, um dos maiores modelos de representatividade da diversidade e inclusão da atualidade, também focou a questão da igualdade racial. “Permanece uma força potente e muitas vezes divisiva em nossa sociedade”. Ele incluiu ainda a questão da imigração em sua fala. Pediu também que a sociedade americana não permitisse que ameaças acabassem com a pluralidade, diversidade, igualdade e unidade conquistadas ao longo dos últimos oito anos.

“Temos que garantir leis contra a discriminação […]. Mas só leis não serão suficientes, temos que mudar os corações.”, disse, clamando pela não divisão racial. “Reconhecer que os efeitos da escravidão não desapareceram imediatamente na década de 1960, que as minorias não praticam racismo reverso ou o politicamente correto e que os manifestantes pelo aumento do salário mínimo não querem tratamento especial, mas tratamento igual assim como prometeram nossos fundadores.”, Obama convocou as minorias, pedindo que “unam as suas lutas” e apelou ao bom senso dos americanos brancos para respeitarem os ativistas pelos direitos civis.

Além disso, ele estendeu seu discurso de igualdade aos imigrantes e refugiados, pedindo mais tolerância do povo americano.

“Todos nós temos que nos esforçar mais e partir da premissa de que cada um de nossos colegas cidadãos ama este país tanto quanto nós. Para muitos, se tornou mais seguro se recolher dentro de suas próprias bolhas, cercados por pessoas com quem se parecem”, alertou. Mais adiante, ele também deixou claro que é preciso rejeitar a discriminação de muçulmanos, afirmando que isso depõe contra os verdadeiros valores da América”, expressou, Barack Obama.

Por fim, agradeceu ao povo que gritava em coro para que ele permanece presidente e vaiava seu sucessor e falou ainda sobre a democracia nos EUA, reforçando a importância da união e disse que faria a transferência do poder de forma pacífica.

“Hoje é minha vez de dizer obrigado. Todos os dias, aprendi com vocês. Vocês fizeram de mim um presidente melhor, e fizeram de mim um homem melhor […]. Nossa juventude e disposição, nossa diversidade e abertura, nossa incansável capacidade de arriscar e reinventar significam que o futuro deve ser nosso. A mudança apenas acontece quando pessoas comuns se envolvem,
se comprometem e se unem para exigí-la. Nossa democracia não irá funcionar sem o senso de que todos tenham oportunidades”.

Ainda nos agradecimentos, Barack Obama se emocionou ao falar de sua mulher, Michelle Obama, e de suas filhas, Malia e Sasha.

“Michelle, eu tenho orgulho de você e o país tem orgulho de você… e Malia e Sasha, de tudo o que já fiz em minha vida, meu maior orgulho é ser o pai de vocês”.

A despedida de Barack Obama repercutiu nas redes sociais. Muitos usuários agradeceram e se despediram do ex-presidente americano. O slogan de campanha foi amplamente lembrado: