Última luta de UFC do ano será entre duas feministas

O UFC é um esporte como qualquer outro. “Ah, mas é muito violento”. Sim, ele pode ser mais violento do que vôlei, futebol, ou basquete, mas isso não tira o mérito de esporte, com suas regras, com o respeito entre os rivais e com ídolos. E duas ídolas do UFC, Ronda Rousey, dos EUA, e Amanda Nunes “Leoa”, do Brasil, irão se enfrentar no dia 30 de dezembro.

Rousey é ex-campeã mundial do UFC e estrela do cinema internacional e Leoa é a atual campeã na categoria peso-galo feminino. Além do talento na luta, as duas também compartilham o engajamento em pautas feministas.

Amanda Nunes foi uma das primeiras lutadoras que se assumiram lésbicas no UFC e ela sempre foi muito ativa na luta contra a violência doméstica.

Roussey apoia um projeto de aceitação do corpo feminino e, em 2015, lançou uma campanha de auxílio a mulheres com problemas psicológicos e de aceitação física junto com a instituição Didi Hirsch Mental Health Services Centre, nos EUA.

A competição será transmitida pelo Canal Combate, para quem tem TV por assinatura, e a própria chamada do evento por si só já exalta bastante o feminismo. O comercial de 30 segundos começa falando “Sim, nós somos garotas” e fala que garotas cuidam, abraçam, riem, tudo isso enquanto passam flashes da competição de UFC feminina. Isso mostra como as mulheres podem fazer tudo e não são, nem de longe, o sexo frágil.