Empresa dá boneca inflável para ministro estimular a economia do Chile

Crédito: Reprodução
Crédito: Reprodução

Uma boneca inflável para estimular a economia do Chile. Essa foi a mensagem de final de ano dada por empresários ao ministro da Economia, Luis Felipe Céspedes. Em tom jocoso, em uma festa de confraternização, a Associação de Exportadores de Manufaturas e Serviços (Asexma) deu o regalo para o político com um cartão na boca, justamente em um dos orifícios possíveis para penetração nesse tipo de brinquedo sexual, que, em última análise, objetifica a mulher, colocando-a numa posição de simplesmente passiva ao falo. Além de extremo mau gosto, a atitude foi sexista. Nesse caso como em tantos outros que vemos diariamente, a desculpa é sempre a mesma para justificar o machismo: é brincadeira. E a resposta tem que ser a mesma, sempre: não, queridinho, não é. A presidente chilena Michelle Bachelet, com toda razão e autoridade que o cargo lhe dá, se pronunciou pela conta oficial do twitter dela: “La lucha por el respeto a la mujer ha sido un principio esencial en mis dos gobiernos. Lo ocurrido en la cena de Asexma no se puede tolerar” (A luta pelo respeito à mulher tem sido um princípio dos meus governos. O que aconteceu no jantar da Asexma não pode ser tolerado).

De acordo com a France Presse e Reuters, que noticiaram primeiramente o fato, a citada empresa tem por hábito usar de humor para presentear ministros e parceiros anualmente. Nesse caso, o humor passou longe e pegou muito mal. O ministro Céspedes acabou se pronunciando publicamente e se desculpou pela reação que teve no momento da entrega, já que teria entrado na brincadeira e pego a boneca nas mãos com um sorriso no rosto.

Já o presidente da Asexma, Roberto Fantuzzi, usou o mesmo discurso esperado: de que tudo não passava de uma brincadeira, um chiste e, para endossar o discurso e a justificativa, lembrou que é pai e avô de mulheres e, além disso, é casado: “Jamais teria intenção de provocar violência contra a mulher”.