InfoPreta: empresa que atende mulheres de baixa renda necessita de ajuda

Crédito: Divulgação

A  InfoPreta é uma empresa fundada há cinco anos e segue como a única do ramo liderada por mulheres negras. A proprietária Buh Angelo sentiu na pele a falta de oportunidades no setor, uma vez que o ramo é dominado por homens. Além do machismo, foi também o racismo institucional que a afastou das grandes empresas. “Resolvi criar o projeto porque eu sempre tive muitas dificuldades em conseguir os materiais que eu precisava para estudar tecnologia. A mulher negra, seja ela cisgênera ou transgênera nunca está realmente inserida na sociedade. O meu objetivo, então, é o de dar condições para que essa mulher, que vive em vulnerabilidade, consiga estudar e se formar”, explica Buh.

A empresa oferece serviços de consultoria tecnológica, inovação e TI, auxilio com TI, tecnologia e equipamentos, oficinas e cursos sobre TI para mulheres, criação de sites e app mobile, restauração, backup e formatação de computadores, manutenção geral e limpeza;, instalação e manutenção de programas e acessórios, conserto e montagem de computador, manutenção e consertos de aparelhos eletrônicos em geral, higienização, serviços de manutenção de micros e notebooks, upgrade no equipamento, montagem de micros instalação de softwares e hardwares, limpeza de micros ou notebooks, reciclagem de micros, notebooks e equipamentos eletrônicos em geral, venda de todos os tipos de eletrônicos, desenvolvimento de websites, hotsite e e-commerce. Buh possui formações técnicas em outras áreas como automação industrial, eletrônica, manutenção de computadores e CPUs e robótica, um currículo extenso para alguém de tão pouca idade.

Hoje, além dos consertos e orientação técnica para mulheres, Buh possui um projeto de doação de notebooks para mulheres negras, estudantes e mães como forma de garantir a permanência destas nos meios escolares e acadêmicos. Os “Notes solidários da Preta” já garantiram a permanência de diversas mulheres e são obtidos por meio de doações. Após serem consertados, são distribuídos entre as estudantes que devem comprovar sua matrícula e apresentar semestralmente o histórico acadêmico. “Quem tem um computador hoje pode acessar Internet e, assim, ter acesso a livros e conteúdos variados para estudar”, afirma a empresária.

Só que para continuar com esse trabalho a empresa precisa sair do local em que atende, pois o espaço cedido é uma  ocupação e os donos necessitam do local com urgência. Como foram pegas de “surpresa”  e  sem condições financeiras para arcar com  o aluguel, a InfoPreta criou uma vakinha on line com  valor correspondente aos três meses de caução pedidos nas imobiliárias. Sem um local para atendimento a empresa não conseguirá dar continuidade ao projeto que tem um impacto tão positivo na vida de muitas mulheres. O objetivo é continuar atendo no centro de São Paulo e com o valor  arrecadado estabilizar as finanças e manter a estrutura necessária para atender as demandas que chegam.