Casa do Adolescente no extremo sul de SP corre risco de ser desativada

Jovens reunidos na Casa do Adolescente de Heliópolis. Crédito: Portal Casa do Adolescente

A Casa do Adolescente do M’Boi Mirim, na zona sul de São Paulo, corre risco de ser desativada. Criado a partir do Programa Saúde do Adolescente, em 2005, o ambiente tem como objetivo desenvolver atenção integral à saúde do adolescente nos campos assistencial, prevenção e promoção à saúde, desenvolvendo atividades como grupos e oficinas com temas ligados à DST/AIDS/Sexualidade, entre outros.

O local fica na travessa Maestro Massaino, s/n, dentro do Clube da Turma, na Estância Tangará. A região é tratada pelas autoridades da Segurança Pública e dos Direitos Humanos como de risco. Por isso, é importante que o ambiente se mantenha ativo para que o risco de os jovens da região serem induzidos à criminalidade, ao tráfico de drogas e à doenças sexualmente transmissíveis seja menor.

A Rede de Proteção a Crianças e Adolescentes, composta por serviços que trabalham com pessoas em situação de alta vulnerabilidade social na região da zona sul da capital paulista, oferece atendimento integral a jovens entre 11 e 17 anos de idade.

O vereador Gilberto Natalini (PV) enviou um ofício à Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo pedindo explicações sobre a possível desativação do espaço. “Aquela unidade conta com, apenas, uma servidora prestes a se aposentar e um auxiliar de enfermagem”, diz.